Mercado Nacional Petrobras

Petrobrás Renegocia Contratos Com ENSCO E Reduz Gastos Em US$ 140 Milhões

Solange-GuedesCom foco na redução de gastos, a Petrobrás avança hoje na renegociação com fornecedores e os resultados já começam a se tornar mais claros. A empresa conseguiu uma economia de US$ 140 milhões em contratos com a Ensco por meio do encerramento e da adaptação de contratos de afretamento de sondas, em acordo que levará à desativação de duas embarcações a à extensão do contrato de outras duas. A informação foi anunciada no balanço do primeiro trimestre da companhia britânica, que concordou em reduzir suas taxas diárias de afretamento.

A mudança estende o contrato da sonda ENSCO 6002 até dezembro de 2019, com uma taxa operacional dirária de US$ 240 mil, de acordo com a fornecedora. A unidade ENSCO 6001, por sua vez, teve sua atividade prorrogada até junho de 2018, com uma taxa diária de US$ 275 mil. Os novos valores começam a contar a partir do dia 1º de maio.

O acordo de redução também levou ao encerramento do contrato de duas sondas, a ENSCO 6003 e a ENSCO 6004, também com a mesma data de referência. De acordo com a empresa britânica, as duas unidades deverão ser retiradas do país e desativadas.

Com o novo corte, a Petrobrás segue impulsionando a sua segunda fase de renegociações, conhecida como “Onda 2″. Anunciado em março pela diretora de E&P da estatal, Solange Guedes (foto), o programa busca abranger um total de 735 contratos, incluindo acordos para atuação em poços e logística operacional. A previsão da empresa é de que sejam negociados novos acordos com 320 fornecedores, com metas superiores às estipuladas na primeira fase, quando a petroleira obteve uma redução de 13% em seus custos.

Esta é a segunda redução de peso feita pela Petrobrás, que em março fechou novo acordo com a Seadrill para uma economia de aproximadamente US$ 132 milhões. O contrato, relativo à embarcação West Tellus, que opera no campo de Libra, teve suas taxas diárias reduzidas e foi estendido em 18 meses, com início em abril de 2018.

Fonte: PetroNotícias.