Eventos

Conteúdo Local Será O Principal Tema Da Rio Oil & Gas Que Começa Dia 24 No Riocentro

Começa nesta segunda-feira (24) mais uma edição do maior encontro de empresas de petróleo e gás da América Latina, a segunda maior feira de petróleo do mundo. O evento ganha importância porque se buscam soluções para uma das mais contundentes crises que o setor atravessa mundialmente. O evento ocorrerá até a próxima quinta-feira (27), no Riocentro, no Rio de Janeiro. A cerimônia de abertura terá a presença do ministro de Minas e Emergia, Fernando Coelho Filho (foto); do governador licenciado do Estado do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão; do prefeito da cidade, Eduardo Paes; do presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), Jorge Camargo; da diretora-geral da ANP, Magda Chambriard; do presidente da Petrobrás, Pedro Parente; do presidente da PPSA, Oswaldo Pedrosa Jr.  

O maior evento de óleo e gás da América Latina, a Rio Oil & Gas, é promovida a cada dois anos pelo IBP. A edição deste ano traz novidades em seu formato. Além da exposição e do congresso, outros dez eventos ocorrerão simultaneamente, entre eles, o WPC Future Leaders Forum, maior encontro global de jovens profissionais da indústria de petróleo, promovido pelo World Petroleum Council e realizado pela primeira vez no Brasil; além do tradicional Encontro de Asfalto. Três arenas vão acontecer dentro da área de exposição e trarão informações qualificadas ao público e com acesso gratuito: Tecnologia, Conhecimento e Sustentabilidade. Outros quatro temas completam a programação dos eventos paralelos nesta edição: os fóruns Financeiro, de Engenharia, Onshore e Compliance. Haverá ainda uma Rodada de Negócios, promovida pela ONIP.

Na exposição das empresas que toma todos os pavilhões e ainda uma área externa do Riocentro, terá o conteúdo local como tema central. É praticamente um embate entre as empresas exploradoras e seus fornecedores. De um lado as petroleiras querendo flexibilizações  para que possam levar grande parte das encomendas para seus próprios países ou para a indústria da Asia, argumentando sobre o preço dos produtos e serviços. O próprio presidente da Petrobrás, Pedro Parente, justificou a suspensão dos FPSOs de Libra porque os preços estavam até 40 % maior no Brasil. Provavelmente um ou outro equipamento de requer grande tecnologia pode mesmo ter estar com preços elevados, mas seguramente não são tos. E também que o que se viu em passado recente foi a exigência de um retrabalho em muitos serviçso feitos na China, que precisaram ser refeitos por aqui. A bandeira contrária do que querem as petroleiras e o IBP, por  defende-las, está sendo levantada pelas Federações das Indústrias do Rio de Janeiro e de São Paulo, que já fizeram gestões junto ao governo federal. Em breve o o governo se posicionará, numa decisão que pode ser ou a pá de cal para muitos fornecedores ou a salvação de milhares de empresas e empregos.

O congresso deste ano focará seus debates no atual cenário econômico, nos desafios e soluções para a retomada do setor. Mais de 100 palestrantes estão confirmados, entre eles o ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga, o consultor da Casa Branca, Alec Ross, além de executivos das principais empresas do setor, como o presidente da Petrobrás, Pedro Parente, o presidente da Shell Brasil, André Araújo, o vice-presidente de Tecnologia da FMC, Bradley Beiter, o diretor-geral da Total E&P Brasil, Maxime Rabilloud e o presidente da Statoil, Pål Eitrheim.

Como nos principais eventos de petróleo e gás no mundo, o Petronotícias dará toda cobertura, envolvendo seus repórteres para que tragam as melhores e informações e entrevistas especiais, como estamos fazendo desde o dia 1º de outubro.

FONTE: Petronotícias.

Siga-nos no Instagram

Load More
Something is wrong. Response takes too long or there is JS error. Press Ctrl+Shift+J or Cmd+Shift+J on a Mac.