A ExxonMobil iniciou nesta quarta-feira (27/2) o licenciamento de 11 poços exploratórios em áreas das 13a, 14a e 15a rodadas de licitação da ANP, quando a empresa adquiriu a operação dos blocos SEAL-M-351, SEAL-M-428, SEAL-M-430, SEAL-M-501, SEAL-M-503, SEAL-M-573. O poço mais perto da costa está a 67 km da cidade de Brejo Grande, em Sergipe.

A empresa dividiu a logística do projeto entre Sudeste e Nordeste. Na região Sudeste pretende utilizar as bases do Porto do Açu, em São João da Barra/RJ, ou Nitshore e/ou Brasco, em Niterói. Na região Nordeste, os portos de Salvador, Aracaju, Maceió estão cotados.

Para apoio aéreo a previsão é a utilização do Aeroporto Internacional Santa Maria em Aracaju/SE. As atividades de exploração em águas profundas seguem firme na Bacia de Sergipe-Alagoas. Na última semana, a Petrobras recebeu licença do Ibama para instalar navio-plataforma para testar a descoberta de Farfan, na área do blocos exploratório BM-SEAL-11. A licença é válida até 31 de julho de 2019 e a empresa precisa informar o término das atividades de instalação da unidade num prazo máximo de 5 dias.

A empresa também já está licenciando um gasoduto de 128 km de extensão para escoar a produção de gás natural dos projetos de produção dos reservatórios de Farfan, Barra e Muriú, na área dos blocos exploratórios BM-SEAL-10 e BM- SEAL-11, em águas profundas da Bacia de Sergipe-Alagoas. A produção do módulo 1 da região será feita a partir de um FPSO com primeiro óleo previsto para outubro de 2023.

E também está buscando sócios para seus projetos na região. Em maio do ano passado, a Petrobras lançou licitação para venda de participações de 20% a 50% nos projetos, sendo 35% do BM-SEAL-4 (tem 75%), 50% de BM-SEAL-4A (tem 100%), 30% de BM-SEAL-10 (tem 100%) e 20% de BM-SEAL-11 (tem 60%). As empresas indianas ONGC e IBV são sócias em parte dos projetos.

Felipe Maciel é editor-chefe da agência epbr. Jornalista com mais de 10 anos de experiência no setor de petróleo e gás natural e colecionador de mapas.