A batalha  dos ambientalistas portugueses que defendem que  não haja exploração de petróleo no Algarve continua firme. Eles são radicalmente contra e continuam a protestar enquanto o governo português faz qaue não vê:  “Somos contra a exploração de petróleo em Aljezur e sabemos as consequências que ela vai ter. Não queremos”, afirmou Rute Gago, da Plataforma Algarve Livre de Petróleo, durante a formação de uma corrente humana  realizada simultaneamente  em 20 praias, de Carcavelos ao Faro.  O protesto aconteceu dias após a justiça ter dado provimento a uma medida cautelar para suspender a perfuração ao largo de Aljezur. “O Tribunal de Loulé considerou que aquilo que o Ministério do Mar tinha invocado como interesse público não era mais do que interesse contratual e decidiram que tínhamos razão em ter avançado com a medida cautelar. Agora estamos à espera que seja julgada a liminar  para sabe se esta exploração efetivamente possa acontecer ou não”, afirmou a líder do movimento. Enquanto isso a Galp e a ENI preparam-se para iniciar o trabalho numa região em que as prospecções indicaram grande quantidade de óleo.