As oscilações bruscas do câmbio e a alta de quase 10% do dólar nos últimos 45 dias estão drenando as margens e comprometendo o caixa de empresas que dependem de insumos importados e têm dívidas em dólar. Entre os setores mais afetados, porque mantêm dívidas em dólar ou porque importam componentes, estão os de cabotagem, siderurgia, petroquímica e farmacêutico.

LEIA MAIS: Com alta do dólar, empresas reveem estratégias e ampliam busca por proteção cambial

‘Os mercados se comportaram de forma disfuncional, entraram em modo pânico’, diz Carlos Kawall

‘O governo Temer acabou em maio do ano passado’, diz economista da Fundação Dom Cabral

A Aliança Navegação e Logística, de transporte de cabotagem, já gasta R$ 1 milhão a mais do que gastava em janeiro para abastecer com diesel 11 navios no Porto de Santos, um aumento de 37%. Além do câmbio, também pesou na conta a valorização do petróleo. Para amortizar o custo, a empresa começou a repassar aos clientes uma sobretaxa de combustíveis.

— Tivemos que repassar, porque não temos mais margem para absorver essa alta — explicou Marcus Voloch, gerente-geral de Cabotagem e Mercosul da empresa.

CUSTO COM GREVE, FRETE E DÓLAR

A empresa fez seus planos de custos para o ano com um dólar a R$ 3,40. Agora, já começa a refazer os cálculos para o terceiro trimestre. Outra despesa em dólar da companhia é o afretamento de navios (contratação de um navio feita diretamente com um armador).

Com 95% dos insumos importados e com preços reajustados pelo governo uma vez ao ano, o setor farmacêutico é uma das presas do dólar volátil e elevado. Como a maioria dessas empresas não fez o chamado hedge (proteção contra as oscilações da moeda americana), um dos caminhos para amortizar a elevação do dólar será reduzir os descontos em medicamentos dados nas farmácias, explicou Nelson Mussolini, do Sindusfarma, que representa as farmacêuticas:

— As indústrias farmacêuticas multinacionais só fazem hedge quando há determinação da matriz. Mas não havia essa expectativa de alta repentina do dólar para o Brasil, portanto as empresas não fizeram essa proteção. Uma das formas de amortizar a alta é reduzir os descontos de medicamentos ao consumidor, mas outra consequência será a retração dos investimentos em inovação, produção e marketing. Por enquanto, ainda não está claro de quanto será essa redução, porque ninguém sabe o que vai acontecer .

Por ano, a indústria farmacêutica movimenta no país R$ 58 bilhões. No mês passado, a greve dos caminheiros já havia levado o setor a perder R$ 1,5 bilhão. Agora, diz Mussolini, é o dólar que vai encarecer os produtos, sem falar do reajuste dos fretes.

Roberto Giannetti da Fonseca, da Kaduna Consultoria, estima que o dólar fechará o ano a R$ 4 ou mesmo acima disso. Com os EUA aumentando os juros por causa da inflação acima da meta, o que deve acontecer já na próxima semana, parte do capital hoje nos emergentes tende a migrar para o mercado americano.

— Não temos de nos espantar nem ficar indignados. Basta olhar o que está acontecendo no mundo, que é a valorização do dólar em relação à moeda de todos os emergentes — disse, para completar: — O problema não é a tendência, mas o efeito manada entre investidores, que cria a volatilidade de sobrevalorização ou subvalorização.

‘NOSSA MARGEM FOI ZERADA’

Também é impactada pelo dólar mais caro a chinesa BYD, uma das principais fabricantes de veículos elétricos do mundo. A companhia abriu filial no país para a entrega de 30 carros elétricos à prefeitura de São José dos Campos e de 200 caminhões elétricos para a gestão de resíduos em Indaiatuba e São Paulo.

A empresa importou equipamentos de sua fábrica da China levando em conta escala de cotação que, no pior cenário, considerava um dólar de R$ 3,60.

— Na área de veículos, a margem do fabricante é de 7% ou 8%, no máximo. Com a forte alta do câmbio, nossa margem foi zerada, não vai haver lucro nenhum — afirmou Adalberto Maluf, diretor de Sustentabilidade e Novos Negócios da empresa.

Como os produtos são faturados quando desembarcam no Brasil, a BYD “deu azar” de trazer os itens justamente no atual ciclo de alta do câmbio. A empresa calcula precisar de uma demanda de, pelo menos, 50 mil unidades ao ano.

— Como não há escala, temos que importar até que haja uma demanda firme — disse Maluf.

Fonte: O Globo

Imagem: O Globo