A PF (Polícia Federal) voltou suas baterias contra a Libra, uma das empresas envolvidas no escândalo dos portos.

ALVO

Em uma das petições sigilosas enviadas ao STF (Supremo Tribunal Federal), o órgão diz que “inicialmente, o objetivo da investigação seria apurar benefício à empresa Rodrimar” com a edição de decreto assinado por Michel Temer que ampliava o prazo para a exploração de áreas portuárias. “Todavia”, diz a PF, “foi identificado que, na verdade, o decreto beneficiou a empresa Libra”.

FICHA

O mesmo documento faz conexão entre o suposto benefício à Libra e repasses que teriam sido feitos a Temer e ao coronel João Baptista Lima nos anos 1990.

MOFO

A Libra nega irregularidades. O Palácio do Planalto desqualifica a investigação afirmando que ela é um “escândalo digno do Projac [complexo de estúdios da TV Globo]”. Uma planilha com supostos repasses a Temer, por exemplo, estaria em outro inquérito que já tinha sido arquivado há anos pelo próprio STF.

MOFO 2

O Planalto questiona a própria autenticidade da planilha que mostraria o suposto pagamento de mesadas a Temer. Ela já teria sido inclusive “renegada” pela pessoa que “involuntariamente” anexou a papelada no passado a um processo de separação.

Fonte: Folha de S. Paulo – Coluna Mônica Bergamo

Imagem: Cargo News