O Governo neozelandês anunciou que não vai emitir mais autorizações para a exploração ‘offshore’ de petróleo e gás, mantendo até 2046 as licenças já concedidas. A indústria do petróleo e do gás é relativamente pequena na Nova Zelândia: conta perto de 11 mil trabalhadores e representa cerca de 1% da economia. Ainda assim, este anúncio é uma mudança em direção a uma economia mais verde, depois dos eleitores, no ano passado, terem escolhido um governo liberal, liderado pela primeira-ministra Jacinda Ardern, que prometeu reduzir para zero as emissões de gases com efeito estufa da Nova Zelândia, até 2050. O Governo quer também plantar 100 milhões de árvores por ano e garantir que a rede elétrica funcione inteiramente a partir de energia renovável. “A transição não acontecerá da noite para o dia, por isso não há necessidade de alarmismo, e apesar de, sem dúvida, representar desafios, também oferece oportunidades através do investimento em novas tecnologias e novos setores”,  disse o ministro de Desenvolvimento Econômico Regional, Shane Jones, em um comunicado. O Governo comprometeu-se com todas as empresas atualmente possuem licenças de exploração e prospecção. Essas autorizações continuam até 2046: “Com este plano de longo prazo, podemos proteger os empregos e proporcionar o tempo necessário para a diversificação das economias, que tradicionalmente confiam nos combustíveis fósseis”.